BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Tiago, apóstolo e mártir

Tiago Maior. Essa referência foi necessária para designar Tiago, irmão de João, filho de Zebedeu, de Tiago Menor, primo de Jesus e também um dos doze discípulos. Tiago Maior pertencia ao grupo dos apóstolos mais próximos de Jesus, junto com Pedro e João. Ele esteve presente em vários acontecimentos importantes da vida do Cristo, como a transfiguração do Senhor e a sua agonia no horto das Oliveiras.
Era pescador e Cristo lhe disse para deixar toda sua vida para trás e ser um pescador de almas. Chamado que ele seguiu imediatamente com fé e devoção. Sua fé também aparece no episódio em que, junto com seu irmão João, pede ao Cristo para terem os primeiros lugares no seu Reino. Quando Cristo lhes diz: “Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu devo beber?” “Sim”, disseram-lhe. “De fato, bebereis meu cálice.”
Ele era um pregador galileu, que estava seguindo um caminho no qual estaria condenado a se chocar com o poder das autoridades e acabar em um desastre inevitável. Em meio a essa situação aparentemente sem esperança, ele nunca duvidou de que Jesus era um Rei.
Apesar de sua vida ter sido curta, se comparada com a do seu irmão João,
que viveu quase cem anos, teve o mesmo destino dele: beber o cálice do martírio. Não teve medo de anunciar o Cristo e sofrer as consequências, mesmo que isso lhe custasse a vida.
Depois da ressurreição de Jesus, Tiago seguiu para a Espanha e foi de norte a sul, evangelizando. Quando voltou para Jerusalém, onde também converteu muitas pessoas, caiu em uma emboscada que resultou em revolta e tumulto. Tiago foi responsabilizado por isso e recebeu a sentença de morte pelo rei Herodes Antipas, que perseguia cristãos. No ano 42 DC, Tiago foi decapitado, sendo o primeiro apóstolo a derramar sangue pela sua fé.
Tenhamos a fé de Tiago em aceitar o chamado de Jesus. Tenhamos a sua coragem para beber do cálice da incompreensão como ele fez, seguindo o exemplo do Mestre.
Durante nossa encarnação, a vida nos dá diversas oportunidades de reafirmar nossa fé. Que possamos, então, reconhecê-las e sermos vitoriosos em nossas escolhas e ações.