BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Silencie para falar com o Pai

Quando queremos falar com alguém, podemos usar os recursos tecnológicos das mensagens instantâneas, dos e-mails, das videochamadas; ou podemos também utilizar meios mais antigos, como o telefone ou até mesmo uma carta.

E se eu quiser falar com Deus? Jesus nos ensinou que falamos com o Pai através da prece, dando Ele mesmo inúmeros exemplos desse intercâmbio.
A prece pode ser entendida como um pensamento dirigido para um determinado fim e, se ditada pelo nosso coração, eleva a alma e nos faz entrar em comunhão com Deus.

É ela que nos fortalece, quando nos sentimos fracos; nos consola, quando estamos tristes; nos incita ao arrependimento e nos devolve ao caminho do bem; nos serve de tábua nas tempestades e nos guia na escuridão de nossas próprias imperfeições.

O ato de orar, em relação a Deus, representa adoração, humildade e submissão. Em relação aos Espíritos, é a identificação de pensamentos, testemunho de simpatia, como nos revela a Revista Espírita de janeiro de 1866.

Além da ação puramente moral, a prece tem efeito material resultante da transmissão fluídica, que atua como um bálsamo salutar para as feridas da alma e do corpo. No entanto, ela não transforma espinhos em rosas, mas modifica sua vida de sofrimentos; não tem poder sobre a vontade imutável de Deus, mas imprime esse impulso de vontade que levanta a sua coragem ao dar-lhe força para lutar contra as provas e dominá-las.

Porém, se orarmos pedindo exclusivamente a satisfação dos desejos e caprichos materiais, é possível que, ao finalizarmos, nós fiquemos inquietos e desalentados.

Por outro lado, se solicitarmos as bênçãos da compreensão da vontade de Deus, sempre justa e sábia, alcançaremos com a prece os bens divinos do consolo e da paz, atenuando os cansaços do mundo e restaurando as energias. A qualidade da prece está em ser clara, simples e concisa; cada palavra deve ter o seu alcance, despertar um pensamento,
agitar uma fibra; numa palavra, deve fazer refletir.

Sem o recurso da prece estaríamos exilados neste planeta sem o mais poderoso apoio moral nas adversidades, sem a âncora que deixaria nosso navio à deriva no mar