BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Papel da ciência na gênese

Kardec inicia as colocações deste tópico explicando que as formações de quase todos os povos da antiguidade se confundem com as suas religiões, e como as religiões tendem a esclarecer o principio das coisas e da humanidade as explicações para a formação do universo e como ele se organiza derivam do conhecimento que essas religiões tinham à época, e o resultado disso é que os primeiros livros religiosos foram também os primeiros livros de ciência.

Kardec coloca também que de todas as gêneses antigas a que mais se aproxima da ciência moderna é a de Moisés, a despeito dos erros que nela existem. Muitos destes erros vêm da interpretação errônea de certos termos, cujo significado original se perdeu nas traduções.

Embora Kardec não aborde neste item a questão da “libertação do pensamento” do domínio da religião, sabemos que isso ocorreu, pois quem pensasse diferente do que determinava a força dominante da época era perseguido e morto, e era necessária essa libertação para que o pensamento evoluísse. Com isso criou-se a cisão entre a ciência e a religião. A ciência livre do domínio que a engessava evoluiu, e a partir das leis da natureza procurou constituir a verdadeira gênese.

Porém a gênese é constituída de duas partes, a formação do mundo material e da humanidade, levando em conta seu duplo princípio, o material e o espiritual. A ciência limitou-se ao estudo das leis que regem a matéria; sob este ponto de vista chegou a um progresso incontestável. Mas e o lado espiritual? Kardec pontua que este lado ficou pouco desenvolvido pela falta de um instrumento de observação mais direta. Hoje temos um poderoso instrumento, que é a mediunidade; através dela podemos estudar e compreender o contato permanente entre o plano material e espiritual e termos respostas, não mais pela fé cega, que bate de frente com o que a ciência provou não ser possível, mas com a fé raciocinada, andando de mãos dadas com ciência e então descortinar os “mistérios” que estão ao nosso alcance conhecer, de acordo com o nosso grau evolutivo.