BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Os Dinossauros

Uma intrigante questão que toma a mente dos cientistas do mundo refere-se a existência dos dinossauros.

Tão distante nos parece que deixamos para os filmes e eventuais reproduções a compreensão destes animais.

E quando nos voltamos ao aprendizado tão vasto que nos traz a Doutrina Espírita, nos questionamos se os dinossauros terão feito parte de uma das fases de evolução do espírito na Terra, e qual a razão de seu desaparecimento.

Encontraremos no livro Evolução Em Dois Mundos, de André Luiz, no capítulo 3 da primeira parte, a descrição da evolução do espírito, nas primeiras eras do planeta Terra, transitando pelos corpos físicos de dinossauros, desde aves até mamíferos, e neles transitando pelas diversas fases da consciência até que estivesse pronto para a fase de humanização. 

Mas é em A Caminho da Luz, de Emannuel, especificamente no capítulo 2, que compreendemos que tais modelos físicos foram frutos teratológicos e estranhos, segundo a própria descrição de Emannuel, adaptados a condição física do planeta Terra, que também estava sendo modelado, e que, quando tais condições permitiram, tais modelos, já não mais necessários, foram eliminados, sendo substituídos por outros corpos físicos mais harmônicos, tendo sido “os tipos adequados a Terra consumados em todos os reinos da natureza, eliminando-se os frutos teratológicos e estranhos”.

Desta forma, notamos que os dinossauros foram parte do processo de evolução do Espírito no reino animal, especificamente na fase de animais superiores, aves e mamíferos. Seus modelos físicos foram ensaios adaptados a fase evolutiva do planeta Terra, que ainda apresentava condições físicas complexas. 

Assim que o planeta permitiu, os geneticistas espirituais estabeleceram modelos mais harmônicos, fixando-os para que o Espírito encontrasse aí o traçado para o desenvolvimento da consciência.