BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

O sistema de castas

Citamos anteriormente as maravilhas do conhecimento que os hindus nos legaram, na área das ciências e no pensamento filosófico, porém das lembranças espirituais surgem na religião, a multiplicidade de deuses, deusas e entidades que manifestam suas forças por toda a Natureza. Provável memória da compreensão de infinitos espíritos, prepostos de Deus, que como tarefas evolutivas cuidam de todas as criaturas e de toda Criação em escala cósmica. Presentes no sistema religioso de castas, o orgulho e a vaidade suplantaram o sentimento de caridade. Os privilegiados ( árias ) eram enaltecidos por direito divino e os desvalidos ( párias ) permaneciam à margem da sociedade rejeitados e em sofrimento. Estabelecem o termo Roda Cármica onde permanecem os espíritos em sucessivas encarnações até sua ascensão e libertação. Esquecem de aplicar os ensinamentos do Mestre Jesus de fraternidade e auxílio mútuo, causando a si mesmos o constrangimento e a dor de trilhar as mesmas estradas físicas ora como poderosos marajás em extrema opulência, ora como pedintes doentes em extrema penúria. 

Tais caminhos vividos pela civilização hindu, trazendo do inconsciente coletivo as vivencias em Capela, devem nos servir como primorosas lições, demonstrando que o conhecimento espiritual por si só não basta para a conquista da paz individual e coletiva, se não for aliado a base primordial de todas as lições: o amor em sua feição mais sublime. Fosse a essência dos ensinamentos espirituais aplicada as interpretações dadas, o sistema de castas teria desaparecido, ou nem mesmo surgido. Felizmente, nem todos aderiram a estas regras, muitos rebelaram-se e se excluíram da sociedade avançando em território europeu, buscando novos rumos, mesclando seus entendimentos aos dos nativos e criando novos conceitos religiosos e culturais, como nos conta Emmanuel em A Caminho da Luz de Emmanuel e é o que veremos a seguir. Até Lá.