BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

O joio e o trigo

… Naquele mesmo dia Jesus saiu de casa e se assentou à beira-mar. Reuniu-se ao seu redor uma multidão tão grande que Ele teve que entrar num barco e assentar-se nele, enquanto todo o povo ficou na praia. A voz do Mestre envolvia as almas carentes de saber, seus olhos serenos e brandos transmitiam uma paz indefinível que apaziguava os corações daqueles que se aproximavam Dele… 

Sua imagem e sua presença iluminavam tudo e todos ao redor. A natureza se mantinha cativa na figura de Jesus. O céu límpido estava iluminado pela aura do Mestre, os raios do sol confundiam-se com o tom dourado de seus longos cabelos, a brisa suave beijava-lhe a face serena com leveza e as águas do mar se aquietaram como a ouvir Suas palavras. 

Sua aura envolvia tudo em uma única sintonia. Então, Jesus falou-lhes muitas coisas por parábolas… “O Reino dos céus é como um homem que semeou boa semente...” (Mateus 13:24-30). 

Jesus é o semeador, o campo é o planeta Terra, as boas sementes são os espíritos que se esforçam para praticar o Evangelho. Os espíritos que não querem nem ouvir nem cumprir as leis divinas são o joio. O inimigo que o semeou são os espíritos das trevas. A colheita é a época da regeneração da Terra e da nossa regeneração. 

Os ceifeiros são os espíritos superiores que vão presidir a trans­formação do mundo. E assim como o joio é colhido e queimado no fogo, será a sepa­ração das almas que transitam pelo  caminho do bem daquelas que preferem o caminho do mal. 

A comparação do joio crescendo junto ao trigo sem poder ser retirado antes que ambos tenham atingido a colheita, nos leva a refletir sobre quantas vezes, estando no caminho reto, nos deixamos envolver pelas ilusões que os espíritos que querem nos afastar de Jesus incutem em nosso íntimo. Ao nos seduzirem através de nossas fraquezas projetam em nossas mentes ideias que vão ao encontro de nosso ego, sussurram em nossos ouvidos adivinhações pueris a nos iludir, crescendo assim junto de nós como o joio faz junto ao trigo, como verdadeiras ervas daninhas a minar a nossa caminhada evolutiva. 

São esses os falsos profetas. São eles as provas que enfrentamos para nos fortalecer na fé e na prática dos ensinamentos de Jesus. Somente aqueles que não se deixarem sufocar pelo “joio” poderão ser o “trigo” colhido e guardado no celeiro do Pai Criador.

Ouçamos Jesus: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”
(Mateus cap. XIII, v.43)