BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Linguagem oculta na evolução

“Supondo que a alma se tenha individualizado lentamente por um processo de elaboração das formas inferiores da natureza, a fim de atingir gradativamente a humanidade, quem se não sentirá maravilhado de tão grandiosa ascensão? 

Através de mil modelos inferiores, nos labirintos de uma escalada ininterrupta; através das mais bizarras formas; sob a pressão dos instintos e a sevícia de forças inverossímeis, a cega psique vai tendendo para a luz, para a consciência esclarecida, para a liberdade. Esses inúmeros avatares, em milhares de organismos diferentes, devem dotar a alma de todas as forças que lhe hajam de servir mais tarde.”

E como exemplo vivo desses modelos maravilhosos do início da criação e evolução temos os tardígrados que são criaturas microscópicas, de adorável aparência e capazes de sobreviver em condições extremas, como no vácuo do espaço e em temperaturas inferiores a 270 C e superiores a 150 C por exemplo.

O filo sobreviveu as cinco principais extinções em massa ocorridas na Terra e seus fósseis contam com mais de 500 milhões de anos, quando os primeiros animais mais complexos estavam começando a se desenvolver.

Em outro extremo temos os primatas que atingiram o ápice da fase de animalidade com interações tão complexas com o ambiente, outros indivíduos  e entre seus familiares que vemos mais semelhanças deles com o Reino hominal do que com o reino Animal.

“…temos certeza de que um estudo atento lhe provará que, quer do ponto de vista do instinto, quer do ponto de vista da inteligência, ou do sentimento, a única diferença existente é quanto ao nível. O mesmo princípio imortal anima todas as criaturas vivas. Inicialmente, manifesta-se apenas de modo elementar, nas mais ínfimas gradações da existência; pouco a pouco vai se aperfeiçoando, à medida que se eleva na escala dos seres, e em sua longa evolução, desenvolve as faculdades que possuía em germe, e as manifesta de maneira mais ou menos semelhante à nossa, à medida que se aproxima da humanidade.”

Evolução Anímica, de Gabriel Delanne