BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Cristianismo redivivo

Antes de mais nada, é importante ressaltar que a Doutrina Espírita se inicia na Terra numa época de abundantes fenômenos mediúnicos de efeitos físicos, seguindo uma programação superior de invasão organizada dos espíritos. Isso deu ensejo a vários aproveitadores como charlatões, ilusionistas ou prestidigitadores, que buscavam o lucro fácil no engodo da população desavisada. Fazia-se essencial a diferenciação das reuniões sérias.
Já que a possibilidade da movimentação de objetos era bem aceita, visto os frequentes eventos das mesas girantes testemunhados por pessoas idôneas, a questão seguinte baseava-se na avaliação do caráter inteligente desses fenômenos e na determinação de sua origem. Analisando-se primariamente os fenômenos de escrita mediúnica por meio de uma cesta ou uma prancheta, alvos de muitas dúvidas e críticas, percebeu-se a dificuldade, ou mesmo a impossibilidade, da intervenção do médium nesse tipo de escrita ao tocar a prancheta ou a cesta apenas com as pontas dos dedos. Além disso, o próprio conteúdo das mensagens, muitas vezes versando sobre assuntos totalmente desconhecidos ao próprio médium, era, em si, um atestado da autenticidade do fenômeno.
Para os antagonistas da doutrina, que acreditavam estar diante de charlatanismos ou de mistificações, Kardec ressaltava a característica universal dos fenômenos, em que respostas idênticas sob assuntos diversos eram obtidas em diversos locais do mundo, e quão pouco provável seria a possibilidade de embusteiros possuírem tal nível de organização e alinhamento das trapaças.
A complexidade das mensagens também era uma resposta aos seus detratores, pois que muitas vezes era incompatível com o conhecimento do médium, além de ocasionalmente apresentar idioma estrangeiro desconhecido ao intermediário.
A Doutrina Espírita nasce a partir de fenômenos extraordinários, ditos “sobrenaturais”, inevitável, portanto, o ceticismo ou a incredulidade que
eles suscitaram. Entretanto, uma cuidadosa observação e análise do fenômeno mediúnico em si indicou a sua veracidade, enquanto a característica inteligente das manifestações acabou por revelar a presença dos espíritos como causa dos fenômenos, homens que já haviam habitado a Terra e que do além-túmulo nos traziam as suas mensagens Mais importante foi o conteúdo das comunicações que os espíritos nos trouxeram e que acabou por angariar milhões de adeptos já na época de Kardec, pois a mensagem estabeleceu uma continuidade dos ensinamentos do Cristo, lembrando-nos da lição imorredoura do Seu Evangelho.