BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Assim acontece em 2022

Em meio a nosso estudo sobre a formação do Planeta Terra, vale-nos um intervalo para o momento que estamos vivendo.

Esta semana chamou a atenção de todos os canais de notícias um relatório da Ong Amazon Watch e da Associação de Povos Indígenas do Brasil, apontando que nove mineradoras gigantes do Brasil e do mundo solicitam autorização para explorar terras indígenas em nosso país, bem como o interesse de governos formatam leis que permitam maior exploração destes territórios no Brasil.

E quando ouvimos estas discussões sem fim, entre as denúncias e os argumentos do governo, precisamos aprender a utilizar da visão iluminada da Doutrina Espírita, que representa o processo de transformação que deve conduzir a Terra para os patamares da regeneração, a fim de que nos capacitemos na visão do evangelho de Jesus a ter uma opinião que esteja de acordo com os programas de iluminação e benção de Nosso Senhor. 

Lembremo-nos do berço sagrado da evolução que é a Amazônia e todos os biomas do Brasil, e naturalmente do mundo. 

Tenhamos a coragem de refletir acerca das vidas ali presentes, as famílias formadas, onde espíritos de diversos níveis de consciência compartilham o aprendizado do amor, o desenvolvimento da inteligência, do livre arbítrio, e ao mesmo tempo intensificam os laços familiares. 

Estes berços do espírito são também campo para a preservação do equilíbrio da Terra, a partir dos planejamentos de Jesus já em sua formação, como já temos visto e ainda veremos em mais detalhes. 

Assim, as estéreis discussões sobre a exploração da Terra, em qualquer campo, precisam aprender a passar pelas Leis Divinas e nós, que nos propomos a compreender com mais exatidão os traçados de luz do Cristo e conseguimos, graças a isto, abarcar os processos de evolução, precisamos aprender a representar o Mestre e todas as criaturas, tomando a coragem de falar em nome do amor. 

Obviamente que a Amazônia, tal qual todos os biomas da Terra, deveriam ser patrimônio tombado, berços do futuro, onde o amor deve imperar, onde o bem se fará presente e onde o homem, já regenerado, se tornará representante de Deus na Terra, e onde os animais viverão em paz. 

Nesta Terra de regeneração, não mais assistiremos a estas tentativas de destruir cada vez mais em nome da ambição, mas sim projetos múltiplos que visarão aumentar a área já preservada e recuperar o habitat destruído nos tempos da inconsciência humana.