BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Testemunhos morais e de fé

Embora não seja um tópico discutido profundamente neste livro, vamos estender um pouco mais os esclarecimentos a respeito dos “falsos Cristos e falsos profetas”, como dissemos na edição anterior.

Primeiro, vamos entender como profetas não somente os que podem prever o futuro, mas os que, apesar de não terem o dom da predição, são enviados por Deus para instruir os homens e revelar as verdades do mundo espiritual — ambos com o objetivo de auxiliar o homem em seu progresso.

Espíritos inferiores atribuem a si mesmos os milagres e prodígios que, para nós, os ignorantes, são fatos ou fenômenos incomuns que parecem transcender as leis da natureza, que são as leis de Deus. 

Isso acontece porque desconhecemos essas leis. À medida que vamos conhecendo a causa, o fenômeno por mais sobrenatural que possa parecer não passa da aplicação de uma lei da natureza. Por isso, Deus nos envia seus emissários para que possamos nos instruir e, através do conhecimento, possamos nos libertar daqueles que tentam nos enganar, aproveitando a nossa ignorância a respeito das leis divinas. ‘

Esses espíritos, encarnados ou desencarnados, podem aproveitar conhecimentos que qualquer um pode adquirir ou de faculdades orgânicas que tanto um espírito mais evoluído quanto um espírito inferior podem ter.

Existem os espíritos enganadores e falsos sábios que são espíritos desenvolvidos intelectualmente, mas pouco desenvolvidos moralmente

Os que realmente vêm nos auxiliar destacam-se pelo porte moral. Devemos nos precaver principalmente com os espíritos desencarnados, que podem assumir a identidade de um espírito de grande estatura moral. 

O que devemos avaliar são as suas obras e as suas virtudes, que devem ser baseadas no amor, na misericórdia, na caridade e na bondade.

Deus jamais confiaria uma missão a um espírito que não tivesse elevação moral e intelectual para cumpri-la. Na distinção dos bons e maus espíritos, é que podemos aplicar as palavras de Jesus “Reconhece-se a qualidade da árvore por seus frutos, pois uma árvore boa não pode produzir maus frutos, e uma árvore má não pode produzir bons frutos.”