BEM-VINDO À REVISTA ESPÍRITA ASSEAMA

Parábola da ovelha perdida

Todos os publicanos e pecadores estavam reunidos para ouvir Jesus, mas os fariseus e os mestres da lei o criticavam: “Este homem recebe pecadores e come com eles”. (Lucas 15:1,2)

Alguns fariseus ficavam escandalizados com Jesus, porque Ele estava sempre rodeado de pessoas conhecidas por suas vidas de pecado e, para explicar sua atitude, contou a parábola da ovelha perdida.

No Evangelho de Lucas, capítulo 15, versículos de 4 a 7, faz a seguinte pergunta aos discípulos e ao povo:

 “Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e vai atrás da perdida até que venha a achá-la? E achando-a, a põe sobre os seus ombros, jubiloso. E chegando à casa, convoca os amigos e vizinhos dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento”.

Jesus é o nosso pastor e nós somos as Suas ovelhas. Quando nossas atitudes vão contra as leis divinas, acabamos nos afastando de Deus, de nós mesmos como espíritos em evolução, e de nossos propósitos na reencarnação. Sozinhos, perdidos em nossas fraquezas e imperfeições, não conseguimos encontrar o caminho de volta. 

Então, Jesus vai ao nosso encontro para nos salvar e, se acreditamos Nele, Ele nos levará de volta para casa, ou seja, de volta ao caminho que leva ao Pai. Lembremo-nos de Maria Madalena, Zaqueu, Paulo de Tarso. A história de todos eles retrata uma luta íntima, um período de transição em suas vidas em que, ao despertarem para a verdade do Cristo, converteram-se à sua Doutrina de Luz, buscando então honrar a obra e o pensamento de Jesus e viver Seus ensinamentos. Podemos ver em cada um deles o despertar, a conscientização e a transformação através do Cristo.

Precisamos reconhecer as nossas imperfeições da mesma maneira e não julgar o nosso próximo pelos seus vícios e fraquezas. Ao contrário, vamos por em prática o aprendizado deixado por Jesus e estender a mão aos que, muitas vezes precisam, assim como nós, de auxílio para fazer o caminho de volta. Ouçamos o Mestre, em Lucas, cap. 15, v. 10: 

“Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.”